Sobre o evento
Tamanho da letra:

 

O congresso internacional Queering Paradigms surgiu como uma estratégia acadêmico-político-científica de discutir e problematizar uma política homofóbica (mais tarde revogada) no campus da Canterbury Christ Church University, na Inglaterra no ano de 2008. Com um objetivo explicitamente inter/multidisciplinar, os congressos Queering Paradigms (QP), fundados pelo Dr. Burkhard Scherer, visam a discutir e problematizar os processos de normatização e de marginalização em sociedades contemporâneas.

Desde sua primeira organização, as discussões giraram ao redor de questões identitárias (não-normativas) e as implicações teórico-analítico-metodológicas que os estudos sobre essas identidades impõem às áreas de estudo que sobre elas se debruçam. O etos QP é um espaço amigável e colaborativo para acadêmicxs estabelecidxs e aspirantes debaterem e co-construírem novos conhecimentos.

Assim, após o sucesso de 3 congressos internacionais Queering Paradigms (QP1, organizado em 2009 na Canterbury Christ Church University, Inglaterra; QP2, organizado em 2010 na Queensland University of Technology, Austrália; e QP3, organizado em 2011 na State University of New York), o Programa Interdisciplinar de pós-graduação em Linguística Aplicada da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o Programa de pós-graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e a Associação de Linguística Aplicada do Brasil têm a honra de organizar o Queering Paradigms 4, a ser realizado entre os dias 25-28 de julho de 2012.

O objetivo do congresso é analisar o status quo atual e os desafios para o futuro dos Estudos Queer e dos Estudos LGBTIQ a partir de uma perspectiva ampla, inter/multidisciplinar, com vistas a problematizar/desestabilizar (i.e. queer) os discursos e os paradigmas das inter-disciplinas. As comunicações, conferências e mesas-redondas discutirão as possibilidades e os potenciais de abordagens teóricas, analíticas e metodológicas queer nas ciências sociais e humanidades e os desafios que tais abordagem colocam para a pesquisa, ativismo político, educação, saúde, direito, religião, linguagem e outras instituições sociais.

Com isso, o congresso atrai várias disciplinas, como por exemplo, antropologia, sociologia, estudos da linguagem, teologia, ciência política, direito, medicina social, filosofia, geografia, psicologia social, reunindo, pelo apelo que a Teoria Queer e os estudos LGBTIQ tem internacionalmente, pesquisadores/as de vários países, constituindo, assim, um rico milieu para aprendizagem coletiva, desenvolvimento de agendas teórico-metodológicas para pesquisas de diferentes áreas e de problematização dos processos sociais, científicos e disciplinares de produção de normas e margens.

Assim como os congressos QP1, 2 e 3, usamos o termo 'queer' para nos referir a um domínio indefinido e sem fronteiras de gêneros, sexualidades e práticas corporais não-normativas que também 'inclui uma filiação a abordagens analíticas críticas', como Ara Wilson (2006) argumenta. Dessa forma, para os propósitos do evento, usamos 'queer' de acordo com Eve Kosofsky Sedgwick em seu ensaio "Queer and Now" (1994):

'queer pode se referir a: uma matriz aberta de possibilidades, lacunas, sobreposições, dissonâncias e ressonâncias, lapsos e excessos de significado na qual os elementos constituintes do gênero, da sexualidade não são forçados (ou não podem ser forçados) a ter um significado monolítico. (p. 7)

'Queer' é, portanto, entendido como questionando, contrastando, desafiando e transformando, especificamente, a heteronormatividade, não se restringindo somente a ela e, dessa forma, lança seus esforços teóricos, analíticos e intervencionistas sobre qualquer tipo de norma (e, dialogicamente, as margens por ela produzidas). Assim, o congresso internacional Queering Paradigms pretende discutir desafios paradigmáticos e mudanças sociais e científicas possibilitados pelo impacto contemporâneo da Teoria Queer nas mais diversas áreas do conhecimento e de ativismo político.

Facebook: Queering Paradigms 4

Twitter: @QueeringP4